BOWERSOX DONALD J CLOSS DAVID J LOGSTICA EMPRESARIAL PDF

Introduo Logstica? Cadeia de Suprimentos? Supply Chain Management? H 65 anos estes termos no eram ditos e nem to pouco conhecidos, mas foram executado em diversas operaes de forma global e integrado s estratgias e s tticas como atividade de apoio s operaes militares, estas aes possibilitaram o entendimento para como manter e movimentar uma grande quantidade de homens, mantimentos e suprimentos blicos nas frentes de batalha. Conforme divulgado por Edward W.

Author:Tygoshura Samusho
Country:Ecuador
Language:English (Spanish)
Genre:Software
Published (Last):23 January 2009
Pages:408
PDF File Size:15.29 Mb
ePub File Size:12.92 Mb
ISBN:980-2-95180-615-6
Downloads:60187
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Fenribar



Introduo Logstica? Cadeia de Suprimentos? Supply Chain Management? H 65 anos estes termos no eram ditos e nem to pouco conhecidos, mas foram executado em diversas operaes de forma global e integrado s estratgias e s tticas como atividade de apoio s operaes militares, estas aes possibilitaram o entendimento para como manter e movimentar uma grande quantidade de homens, mantimentos e suprimentos blicos nas frentes de batalha.

Conforme divulgado por Edward W. Smykay, Donald J. Bowersox e Frank H. Mossmam em onde foi publicado o primeiro livro-texto, sugerindo os benefcios da gesto logstica coordenada, neste define-se o termo logstico como o ramo da cincia militar que lida com a obteno, manuteno e transporte de material, pessoal e instalaes. Ao passar do tempo, ocorreram diversas pesquisas na rea acadmica que viriam a ser demonstradas por diversos conceitos, mas foi no setor empresarial que todas as pesquisas, experincias e algumas funes da Logstica tiveram uma evoluo significativa, com a criao de novos encargos de acordo com as exigncias do mercado, passando a fator indispensvel para os grandes empresrios.

Ballou afirma em uma de suas obras, que uma organizao de gestores logsticos, educadores e profissionais da rea, mais propriamente o Council of Logistics Manengement CLM criada em aproxima ainda mais a essncia da gesto da logstica empresarial para as atividades e objetivos. Sua definio em Logstica a parte do Gerenciamento da cadeia de abastecimento que planeja, implementa e controla o fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, servios e das informaes relativas desde o ponto de origem at o ponto de consumo com o propsito de atender s exigncias dos clientes.

Council of Logistics Manengement Atualmente tornou-se primordial e cogente no s para os grandes empresrios, mas tambm para todo empresrio de mdia ou pequena empresa, que em mente tem a estratgia como o fator de diferenciao para o sucesso em meio ao mundo capitalista. Um mundo globalizado, que a cada dia adentra ao socialismo em paralelo objetivo principal de cada organizao, definindo assim como o ponto categrico.

Em plena fase de globalizao, onde o mercado exige que se produza mais, com menores custos, maior qualidade e melhor atendimento, a utilizao da Logstica nas empresas uma questo de sobrevivncia. A Logstica pode ser determinante para o sucesso ou insucesso das organizaes, pois o mercado esta a cada dia mais exigente e observador.

Sucesso, para aqueles que entenderam o conceito e aplicao das atividades logsticas e como as mesmas podem ser introduzidas nas organizaes.

Insucesso, para aqueles que influenciados pela utilizao da ferramenta, de suas tcnicas e atividades definiram apenas como melhorias de transporte, que segundo BALLOU, foi tratada erroneamente pelas empresas, como se fosse moda. Mas qual seria o seu objetivo? Ballou descreve que a logstica empresarial procura atingir metas de processos de cadeia se suprimentos que venham a conduzir a organizao os objetivos globais. Especifica ainda que o propsito seja desenvolver um mix de atividades logsticas do qual venha a resultar o mximo de retorno possvel do investimento no menor prazo.

Diante a citao de Ballou ento, qual estratgia adotar? Segundo Donald J. Bowersox e David J. Closs , no existe uma maneira nica e ideal para atender todos os clientes. Cada Cliente requer e espera que os fornecedores atendam a suas necessidades particulares. A partir deste ponto que a empresa pode mostrar o seu diferencial.

O sucesso pela conquista de seu cliente ser definido pela melhor estratgia implantada e negociada. Para esclarecer melhor o entendimento a esta iniciao, veremos um breve conceito sobre a Logstica integrada ou Supply Chain Management SCM , o que e como gerenci-la, relacionamentos em sua cadeia, viso estratgica e competitiva, anlise das aplicaes.

Todos, fatores de igual importncia para o processo de vida ou morte das organizaes. Logstica Empresarial Supply Chain Management - Conceito e Integrao; Ao se falar de Logstica no se pode deixar de mencionar o conceito de Supply Chain SC ou Logstica Integrada, pois Inclui o fluxo de materiais e produtos at os consumidores, envolvendo tambm as organizaes que so partes desse processo.

Ela compreende todas as atividades associadas com o fluxo e transformao de mercadorias desde o estgio inicial at o cliente, assim como os seus correspondentes fluxos de informao. Reconhece ainda, que existem formas de cooperao que podem ligar as organizaes resultando em uma maior eficincia do sistema como um todo.

Ela pressupe, fundamentalmente, que as empresas devem definir suas estratgias competitivas e funcionais atravs de seus posicionamentos dentro das cadeias produtivas nas quais se inserem. A logstica empresarial, como funo de integrao nas organizaes, um conceito de gesto relativamente novo, apesar de que todas as atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuio de produtos durante muitos anos foram exercidos pelas empresas.

A inovao se encontra no fato de que as empresas passaram a desenvolver essas atividades de forma integrada e coordenada, segundo uma filosofia de otimizao global, em busca da melhor contribuio possvel para o objetivo empresarial.

Com isso, passaram a reconhecer que a logstica tem potencial em agregar valor aos produtos e servios que so comprados pelos clientes, o que essencial para sua satisfao e o sucesso das aes de marketing. Ballou O objetivo da Supply Chain Management SCM controlar o custo total, melhorar qualidade, maximizar a gama de servios ao consumidor e o lucro Queiroz e Cruz Portanto, fundamental a escolha correta dos fornecedores e o alinhamento dos objetivos neste processo.

Esta idia defendida tambm por Pires in Queiroz e Cruz Isto obtido atravs de uma agenda comum de melhorias e capacitao resultando numa estrutura produtiva com uma competncia distinta e muito difcil de ser combatida pela concorrncia.

Era corriqueiro s empresas, desenvolverem seus produtos, introduzi-los no mercado e irem ao encontro do seu objetivo, a venda. Atualmente no ramo logstico podemos definir esta atividade como: Empurrar o Produto. Em meio competitividade global, as organizaes se adaptaram a uma nova rotina diferenciada ao termo empurrar o produto, hoje comum que busquem a necessidade do mercado para assim definirem o melhor e ideal produto para desenvolvimento.

Em tempo as modificaes de mercado, que a cada dia exige novos produtos mais sofisticados, superiores e que atende a vrias necessidades. Segundo Figueiredo , com o passar do tempo, e em funo de um maior aculturamento da sociedade, as empresas descobriram que os consumidores tornaram-se cada vez mais exigentes em relao aos pontos j citados, e principalmente com os preos com que os produtos chegam aos pontos de venda. E segundo o autor, com esse objetivo de se poder atender cada vez melhor essa massa de consumidores, que as empresas passaram a dar maior valor logstica, bem como a esse profissional.

Desta forma a integrao entre as partes interessadas torna-se cada dia maior. Fornecedores de matria-prima desenvolvem os produtos unindo necessidade imposta pelo fabricante que j observado em pesquisa de campo, sabe o que estar introduzindo no mercado. A melhor aplicao e interao ao entendimento da necessidade de todas as partes, desde os Commodies ao ponto final sero determinantes se o produto atender o objetivo. Closs , a logstica empresarial inclui todas as atividades de movimentao de produtos e a transferncia de informaes de, para e entre participantes de uma cadeia de suprimento.

A cadeia de suprimento constitui uma estrutura lgica para as empresas e seus fornecedores trabalharem em conjunto para levar produtos, servios e informaes, de maneira eficiente, aos consumidores finais. Logstica empresarial apresenta a misso, os processos e as estratgias necessrias para atingir o processo integrado de uma cadeia de suprimento. Em outras palavras a forma inteligente de ligar todas as reas responsveis pela introduo dos produtos ou servios no mercado, de uma forma que os objetivos fundamentais sejam alcanados em menor tempo, custo e exatido.

Mais precisamente, seguindo o conceito definido em , pelo Concil Of Logistics Manangement, descrito nesta introduo. Logstica Empresarial - Cadeia de Relacionamentos; A funo logstica compreende um conjunto grande de atividades que so executadas por diversos agentes ao longo da cadeia completa de converso da matria-prima em produtos finais para os clientes. Essas atividades so executadas em locais diferentes, em tempos diversos, o que aumenta muito a complexidade de sua gesto. Quadro: Cadeia de Relacionamentos CHING mostra a representao do fluxo de materiais e produtos, de pedidos, de devolues e os fluxos de informaes que conectam todos os nveis da cadeia.

Figura 1- Cadeia de Relacionamentos Analisando a cadeia acima, segundo CHING pode-se dividi-la em 4 grandes grupos, todos de igual importncia para o processo, pois nenhum grupo se movimenta ou produz sem ter a participao do outro grupo. Aqui se pode perceber a importncia da atividade logstica no desenvolvimento dos fornecedores, uma atividade de fundamental importncia, a exemplo do que est fazendo as montadoras de automveis, colocando os seus principais fornecedores dentro do seu parque fabril.

Aqui fica clara a atividade de planejamento de materiais, pois a partir das decises acima que poder ser definida toda a poltica de estoques da organizao em questo. Onde se devem armazenar peas de reposio? Quanto se deve armazenar de peas e de produtos acabados? Aqui fica clara a preocupao como nvel de servio a ser repassado ao consumidor. Muitos produtos em estoque sejam elas peas de reposio ou produtos acabados, e diversos locais de armazenagem melhoram, sem sombra de dvida, o nvel de servio para o consumidor, porm com uma conseqente elevao dos custos, o que, em ultima anlise, diminuir as vendas devido ao incremento nos preos de venda.

Entretanto, no se deve supor de antemo que a organizao ser perfeita e atender a todos os mercados com a mesma presteza. Nesse sentido, CHING afirma que a atividade logstica estar preocupada em definir para que mercado seja fornecido o produto e com que nvel de servio. A cadeia de relacionamento deve ser segura e estvel, pois os projetos em primeira instncia dependero de findar seus custos e no perodo planejado comear apresentar os resultados esperados.

Se alguns dos participantes desta rede de relacionamentos no apresentar condies de estabilidade e custeio, pode levar todo o planejamento falncia ou atrasar o alcanar dos resultados. Gonalves afirma que, no importa o quanto se faa de investimentos para atender a esta nova realidade, um componente vital de, todo esse processo, a parceria.

Afinal, como gerenciar os fluxos de materiais entre os diversos componentes da cadeia logstica se no houver uma perfeita integrao, uma mtua confiana, uma reciprocidade entre as empresas que compem estes fluxos de materiais at a entrega do produto ao cliente? Ou ainda, como manter uma linha de produo em constante atividade se, por algum motivo, um dos fornecedores no "cumprir" a sua parte?

Logstica Empresarial - Viso Estratgica; No mbito empresarial e diante da necessidade de reduzir os custos para as operaes, o olhar estratgico vem sendo uns dos fatores indispensveis para conquista dos objetivos. No basta somente seguir os padres digeridos pelos grandes pensadores ou gerente de unidades sem ao menos buscar uma tima estratgia comercial. Conforme especificado do tpico que apresenta o conceito da logstica constante as modificaes de mercado, que a cada dia exige novos produtos mais sofisticados, superiores e que atende a vrias necessidades.

A utilizao de uma boa estratgia de trabalho, vendo como, onde, quando e o que ir apresentar como novo produto ou servio ser importante para o alcance do resultado esperado. De acordo com Fonseca , na atualidade, as estratgias logsticas esto evoluindo com grande rapidez. So vrios os fatores que facilitam e contribuem a esta mudana. Entre os mais relevantes esto: - Profissionalizao e Especializao: a gesto logstica se considera como uma fonte importante de oportunidades competitivas e se destinam recursos a ela.

A viso tradicional da mera gesto burocrtica de estoques, armazns e transporte esto em vias de extino. Com ela se abriu a possibilidade da subcontratao de toda ou parte da cadeia logstica. As novas estratgias logsticas so muitas e variadas, e dependem em grande parte, do setor industrial. Tentar abord-lo em apenas um artigo seria uma atitude um tanto ambiciosa, porm algumas das mais importantes sero apresentadas para que ajudem a ilustrar estas mudanas que se esto produzindo com grande rapidez nos ltimos anos.

Inovao a palavra-chave para o sucesso. Logstica Empresarial Vantagem competitiva; Das muitas mudanas que ocorreram no pensamento gerencial nos ltimos 10 anos, talvez a mais significativa tenha sido a nfase dada procura de estratgias que proporcionassem um valor superior aos olhos do cliente.

A vantagem competitiva no pode ser compreendida olhando-se para uma empresa como um todo. Ela deriva das muitas atividades discretas que uma organizao desempenha projetando, produzindo, comercializando, entregando e apoiando seu produto. Cada uma dessas atividades pode contribuir para a posio de custo relativo da empresa e criar a base para a diferenciao. Ballou A cadeia de valor desdobra a empresa em suas atividades estrategicamente relevantes, para compreender o comportamento dos custos e as fontes de diferenciao existentes ou potenciais.

Uma organizao ganha vantagem competitiva executando estas atividades estrategicamente importantes de maneira mais barata ou melhor do que seus concorrentes. A vantagem competitiva surge da maneira como as empresas desempenham estas atividades discretas dentro da cadeia de valor. Para ganhar vantagem competitiva sobre seus rivais, uma empresa deve proporcionar valor para seus clientes desempenhando as atividades de modo mais eficiente do que seus concorrentes ou desempenhando atividades de forma que crie maior valor percebido pelo comprador.

Ballou Pode-se afirmar que o gerenciamento logstico tem potencial para auxiliar a organizao de alcanar tanto a vantagem em custo como produtividade como a vantagem em valor. Existe igualmente uma necessidade crucial de estender a lgica da integrao para fora dos limites da empresa, para incluir os fornecedores e os clientes neste contexto que se insere o conceito de gerenciamento da cadeia de suprimentos.

A cadeia de suprimentos representa uma rede de organizaes, atravs de ligaes nos dois sentidos, dos diferentes processos e atividades que produzem valor na forma de produtos e servios que so colocados nas mos do consumidor final.

Ballou Segundo Ballou o gerenciamento da cadeia de suprimentos no a mesma coisa que "integrao vertical". Pensou-se uma vez que isto seria uma estratgia desejvel, mas atualmente, as organizaes esto cada vez mais focando "seus negcios", em outras palavras, nas coisas que elas fazem realmente bem e onde elas tm uma vantagem diferencial.

O restante "adquirido externamente", isto , obtido fora da empresa. Por exemplo, as companhias que no passado produziam seus componentes neste momento Certamente, esta tendncia tem muitas implicaes para o gerenciamento logstico, no sendo menos importante o desafio de integrar e coordenar o fluxo de materiais de uma variedade de fornecedores, em geral estrangeiros, e, ao mesmo tempo, gerenciar a distribuio do produto acabado por meio de vrios intermedirios.

GLD PROSPECTUS PDF

LOGISTICA EMPRESARIAL - Atualizado

Malar We offer comprehensive services for power generation, chemicals and petrochemicals as well as boesig, gas and water supply. Valves Control ball valves Shut-off ball valves Desuperheater Motive steam nozzle. Quality that pays Durable and low maintenance products reduce the life cycle costs of your plants. This service begins with pipeline planning, strength calculations and extends to the prefabrication and installation of complete pipeline systems. The redesign and revision of existing systems and components in accordance with current standards and specified customer requirements form a focal point of our work. It benefits from its integrated ball valve for a tight system isolation to reduce the risk of thermal shocks.

EN LOS TRIGALES RODRIGO PDF

BORSIG BALL VALVES PDF

.

C3153 DATASHEET PDF

Logística empresarial – conceitos e definições

.

AACR2 CATALOGUING RULES PDF

Administración y Logística en la Cadena de Suministros

.

Related Articles